Eleições Legislativas 2011

Maio 31 2011

Sétima sondagem diária da Eurosondagem mostra o acentuar da descolagem do PSD na liderança das intenções de voto.

 

 

 

 

A última semana de campanha tem sido amarga para os socialistas, no que a sondagens diz respeito.

Hoje, terça-feira, no sétimo de dez estudos da Eurosondagem para o Expresso, SIC e Rádio Renascença, os socialistas, apesar de subirem uma décima nas intenções de voto face à véspera, veem o fosso face ao PSD aumentar, estando agora em 3,3 pontos percentuais.

O PSD de Pedro Passos Coelho é o único partido além do PS a subir, mas é claramente o que mais beneficia, pois a subida diária de oito décimas já lhe dá uma vantagem clara sobre o PS.

A direita, com PSD e CDS somados, continua confortavelmente dentro da margem para poder obter uma maioria absoluta e, assim, formar a terceira AD da história da democracia portuguesa.

 

Ficha técnica

 

Estudo de Opinião efectuado pela Eurosondagem, S.A. no dia 30/05/2011 para o Expresso, SIC e Rádio Renascença, com o objectivo de conhecer a intenção de voto.

O Universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e habitando em lares com telefone da rede fixa.

A amostra foi estratificada por Região (Norte -20,5%; A.M. do Porto - 13,4%; Centro - 32,4%; A.M. de Lisboa - 24,7%; Sul - 9,0%), e aleatória no que concerne ao Sexo e Faixa Etária, de onde resultou Feminino (54,8%), Masculino (45,2%) e 18/30 anos (19,7%), 31/59 anos (46,4%) e 60 anos ou mais (33,9%), num total de 522 entrevistas telefónicas validadas, dado que 213 (29,0%) das 735 tentativas efectuadas não aceitaram colaborar ou responderam não ir votar.

O resultado projectado da intenção de voto, é calculado mediante um exercício meramente matemático, presumindo que os 22,0% respondentes "Ns/Nr" se abstêm e resulta da seguinte média: Dia 26/05 - 10%, dia 27/05 - 20%, dia 29/05 - 30%, dia 30/05 - 40%.

O erro máximo da Amostra deste Estudo é de 4,29 %, para um grau de probabilidade de 95,0%.

Os resultados ponderados que estão expressos neste Estudo de Opinião, resultam de uma média dos últimos quatro estudos, que totalizam 2.059 entrevistas validadas, com a margem de erro de 2,16%.

Um exemplar deste Estudo de Opinião está depositado na ERC.

fonte:http://aeiou.expresso.pt/ps-cada-vez-mais-perto-da-oposicao=f652540

publicado por adm às 20:55

Maio 30 2011

 

O PSD volta a alargar a sua vantagem para o PS. Na oitava sondagem da Intercampus para o PÚBLICO e a TVI, os sociais-democratas somam agora 37,0% da preferência dos votos, contra 32,3% dos socialistas. O CDS sobe, a CDU mantém e o BE cai.

 

Com o trabalho de campo a realizar-se já em plena campanha eleitoral (entre os dias 25 e 29), com uma maior exposição dos partidos nos órgãos de comunicação social, o PSD subiu dos 35,8% da passada sexta-feira para os 37,0% esta segunda, ou seja mais 1,2 pontos percentuais, enquanto os socialistas baixaram 34,1% para os 32,3%. A diferença entre os dois partidos é agora 4,7 pontos, quando na passada sexta-feira era 1,7.

Depois de uma queda ligeira na passada semana, o CDS-PP volta a subir na preferência de votos. O partido liderado por Paulo Portas tinha 11,3% e tem agora 12,7%.

A soma dos votos do PSD e CDS-PP atinge os 49,7%, dentro da possibilidade de os dois partidos poderem alcançar uma maioria parlamentar.

A CDU continua a ser o partido mais regular, mantendo-se nos 7,7% e o BE, que na passada semana tinha registado uma ligeira subida, volta agora a cair: os bloquistas recolhiam 6,5% das preferências na sexta-feira e agora ficam-se pelos 5,2%.

Os votos da esquerda (PS, CDU e BE) “casados” somam agora 45,2% , quando na passada sexta-feira atingiam os 48,3%.

O que volta a subir é o número dos inquiridos que afirmou ir votar em outro partido (sem representação parlamentar): passaram de 4,5% para 5,2%.

Esta repartição dos votos leva em conta apenas os entrevistados que manifestaram a intenção de votar num dos partidos indicados.

Cai o número de pessoas que diz não saber em quem vota ou não responde (eram 25,7%, são 23,2% esta segunda-feira) e sobem os que dizem não votar em nenhum partido ou que não votam (passam de 16,8% para 17,6%).

Os que defendem um Governo formado por uma coligação de partidos, um dos grandes temas da primeira semana de campanha, são novamente mais, passam de 51,9% para 54,4%, e os que defendem um Executivo só com o partido vencedor são menos, eram 31,3% e são agora 28,5%.

Dos que defendem uma coligação para o Governo, uma grande parte gostaria que ela fosse entre o PSD e CDS-PP, 37,7%, praticamente os mesmos que na passada sexta-feira (37,8%). Os restantes cenários de coligações recolhem as seguintes preferências [entre aspas valores de sexta-feira]: PSD-PS-CDS, 11,7% (12,7%); PSD-PS, 14,4% (14,8%); PS-PCP-BE, 7,7% (8,7%); PS-CDS, 8,7% (5,7%).

Os que acham que o próximo Executivo vai Governar melhor são 40,3% (eram 41,1% na sexta-feira); os que pensam que vai ser igual são 35,1% (34,8% na última sondagem) e os que dizem que vai governar pior são 8,4% (eram 7,8%).

Esta foi a última de uma séria de sondagens regulares feitas pela Intercampos para o PÚBLICO e TVI.

 

Sondagem realizada pela INTERCAMPUS para a TVI/PÚBLICO, com o objectivo de conhecer a opinião da População Portuguesa sobre temas da actualidade. O universo é constituído pela população portuguesa, com 18 e mais anos de idade, eleitoralmente recenseados, residentes em Portugal Continental, em lares com telefone fixo. A distribuição geográfica dos inquiridos é: Grande Lisboa, 215 (21,3%); Grande Porto, 134 (13,3%); Norte Litoral, 178 (17,6%); Centro Litoral, 184 (18,2%); Interior, 197 (19,5%); Sul, 102 (10,1%). A informação foi recolhida através de entrevista telefónica (CATI), com base em questionário estruturado, elaborado pela TVI e adaptado pela INTERCAMPUS. A amostra de 1010 indivíduos foi seleccionada através do método de quotas, a partir de uma matriz de estratificação que considerou as variáveis Sexo, Idade e Concelho. 23,2% optaram pelo item sabe/não responde e 17,6% nenhum (partido)/ não votaria. O erro de amostragem deste estudo, para um intervalo de confiança de 95%, é de ± 3,08%. A taxa de resposta obtida neste estudo é: 44,9%. Período da recolha da Informação: De 25 a 29 de Maio. Equipa: estiveram envolvidos 47 entrevistadores, devidamente treinados para o efeito, sob a supervisão directa dos técnicos responsáveis pelo estudo.

fonte:http://www.publico.pt/Pol%C3%ADtica/psd-parte-para-a-recta-final-da-campanha-a-descolar-do-ps_1496709?p=2

publicado por adm às 21:40

Maio 30 2011

Sociais-democratas entram na segunda semana de campanha com a maior vantagem sobre os socialistas desde o início oficial da campanha eleitoral.

 

 

 

 

O PSD de Pedro Passos Coelho é o único partido a subir nas intenções de voto, revela hoje a sexta sondagem do estudo contínuo de dez da Eurosondagem para o Expresso, SIC e Rádio Renascença.

 

Os sociais-democratas sobem um ponto percentual e chegam aos 34,7%, conseguindo 2,6 pontos de vantagem sobre o PS. Os restantes partidos descem todos: 0,3 o PS e o CDS, 0,1 a CDU e o Bloco de Esquerda.

Sociais-democratas e populares têm somados 47,6% das intenções de voto, dentro da margem para obterem a maioria absoluta de deputados no Parlamento.

Há ainda duas notas impportantes a reter nesta sondagem: pela primeira vez o PSD tem uma vantagem sobre o PS superior à margem de erro técnica - que é de 2,1 por cento, contra os 2,6 de vantagem dos sociais-democratas sobre os socialistas; e a segunda para dizer que o número de indecisos baixou para 22,2 (os que não sabem ou não respondem quando inquiridos).

 

Ficha técnica

 

Estudo de Opinião efectuado pela Eurosondagem, S.A. no dia 29/05/2011 para o Expresso, SIC e Rádio Renascença, com o objectivo de conhecer a intenção de voto.

O Universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e habitando em lares com telefone da rede fixa.

A amostra foi estratificada por Região (Norte -19,0%; A.M. do Porto - 13,7%; Centro - 32,9%; A.M. de Lisboa - 25,7%; Sul - 8,7%), e aleatória no que concerne ao Sexo e Faixa Etária, de onde resultou Feminino (53,5%), Masculino (46,5%) e 18/30 anos (18,2%), 31/59 anos (51,1%) e 60 anos ou mais (30,7%), num total de 505 entrevistas telefónicas validadas, dado que 228 (31,1%) das 733 tentativas efectuadas não aceitaram colaborar ou responderam não ir votar.

O resultado projectado da intenção de voto, é calculado mediante um exercício meramente matemático, presumindo que os 21,8% respondentes "Ns/Nr" se abstêm e resulta da seguinte média: Dia 25/05 - 10%, dia 26/05 - 20%, dia 27/05 - 30%, dia 29/05 - 40%.

O erro máximo da Amostra é de 4,36 %, para um grau de probabilidade de 95,0%.

Um exemplar deste Estudo de Opinião está depositado na ERC.

fonte:http://aeiou.expresso.pt/psd-aumenta-vantagem-sobre-o-ps=f652274

 

publicado por adm às 21:36

Maio 30 2011

O dirigente socialista Vieira da Silva criticou hoje o comentador político da TVI, Marcelo Rebelo de Sousa, acusando-o de apelar ao voto no PSD durante a sua intervenção de domingo, o que classificou de “inadmissível”.

 


“(Rebelo de Sousa) Foi um pouco mais longe, passando os limites do aceitável no comentário politico e conduziu todo o seu comentário para aquilo que podemos chamar de apelo ao voto. Ultrapassa claramente aquilo que é aceitável quando estamos num processo eleitoral, que tem as suas regras”, afirmou o cabeça de lista do PS por Setúbal às eleições legislativas de domingo.

Em conferência de imprensa na sede socialista, em Lisboa, o ainda ministro da Economia afirmou que o antigo líder do PSD fez “uma análise à situação económica e política portuguesa e a este processo eleitoral que não deixa de ser marcada, como ele próprio reconhece, pelo facto de se tratar de um militante e antigo dirigente”.

“Estes comentários, pretensamente distanciados, serviram para fazer apelo direto a uma escolha, a um candidato e a um partido. O PS manifesta o seu repúdio por esse tipo de intervenção de apelo ao voto dos eleitores indecisos”, continuou, sublinhando tratar-se de uma “utilização de forma excessiva desse espaço de comentário político”.

Rebelo de Sousa, durante o seu comentário habitual de domingo no telejornal da TVI afirmou a dado passo que só o primeiro-ministro demissionário, José Sócrates, ou o líder do PSD, Passos Coelho, têm reais hipóteses de liderar o próximo governo.

Para o comentador da TVI os portugueses têm que decidir entre quem tem e quem não tem condições: "A escolha entre alguém que, a meu ver, não tem condições para e alguém que talvez tenha. Mas é uma escolha para muita gente do menor mal, com dúvidas, com insegurança. Acho que sim, não se pode negar essa realidade", disse.

Marcelo Rebelo de Sousa disse ainda que, com base na evolução da campanha eleitoral, José Sócrates já tem "30 a 35 por cento das hipóteses" de vir a ser primeiro-ministro, ao contrário dos dez por cento que teria no início da campanha.

"Eu próprio dizia, há quatro ou cinco dias, que achava que o PS tinha 10 por cento de hipóteses de vitória, olhando para a evolução das sondagens, há uma semana atrás ou no começo da semana. Aumentou essas probabilidades, eu hoje já diria que tem para aí 30 por cento ou 35 por cento das hipóteses", afirmou o ex-líder do PSD.

fonte:http://www.publico.pt/

publicado por adm às 13:37

Maio 29 2011

 

 

 

sondagem diária da Eurosondagem para o Expresso, SIC e Rádio Renascença, a quinta de dez até ao final da campanha, continua a mostrar uma vantagem ligeira do PSD face ao PS

 

 

A vantagem do partido de Passos Coelho está pouco acima de um ponto percentual, e hoje desceu três décimas face à vespera (fruto da polémica do aborto?). Mas a tendência de vantagem dos sociais-democratas parece consolidar-se. Em cinco dias, e com cinco estudos diários, a liderança nunca chegou aos dois pontos percentuais. Mas também nunca baixou de meio ponto. Passos está à frente por uma unha negra. Mas está sempre à frente. E nas eleições, estar à frente é estar mais perto de as ganhar. E cada dia é menos um dia até ao veredito dos eleitores.

 

Os dois partidos não atingem no entanto scores muito elevados, nem sequer chegando aos 35% nas intenções de voto (a última vez que em Portugal alguém ganhou eleições legislativas com um score tão baixo foi Cavaco Silva em 1985), estando portanto a léguas de uma maioria absoluta.

Para essa maioria no Parlamento, o CDS de Paulo Portas aparece como verdadeiramente decisivo. Isto é, quem ganhar as eleições terá mesmo de reservar umas cadeiras no Conselho de Ministros para Paulo Portas e os seus lugares tenente.

Mais atrás estão os dois partidos de esquerda, PCP e Bloco de Esquerda. Os comunistas não têm um score espetacular mas podem sorrir pois estão a uma semana de recuperar o lugar de quarta força política em Portugal... e desalojar o Bloco.

A força de Francisco Louçã está a revelar-se uma das grandes desilusões de 2011. E a perspetiva de perder cerca de metade da sua bancada no Parlamento é seguramente traumática para um partido que tem vindo sempre a crescer desde que em 1999 se apresentou pela primeira vez a votos.

E A SEGUNDA SEMANA?

 

Perante estes dados, vamos ter uma semana final de campanha empolgante como há muito seguramente não se via. Ninguém que está um ponto do líder vende facilmente a derrota e os socialistas já provaram ser uma máquina política e eleitoral temível. A troca de argumentos, mas também de acusações, vai seguramente subir de tom (se esperava um debate sobre matérias da governação, como o programa da troika, para os próximos dias, o melhor é esquecer).

Apesar do suspense, tudo aponta, e nesta altura a cristalização do voto dos eleitores começa a sentir-se com mais vigor, para que Passos Coelho possa vir a ser o próximo primeiro-ministro de Portugal, sendo José Sócrates o primeiro chefe de governo eleito a ser derrotado nas urnas. Depois de vergar Santana, Marques Mendes, Menezes e Ferreira Leite, Sócrates pode estar a oito dias de perder as eleições face ao líder do PSD com menor experiência governativa (no caso e Passos é mesmo nenhuma...) que apanhou pela frente.

 

Ficha técnica

 

Estudo de Opinião efectuado pela Eurosondagem, S.A. no dia 27/05/2011 para o Expresso, SIC e Rádio Renascença, com o objectivo de conhecer a intenção de voto.

O Universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e habitando em lares com telefone da rede fixa.

A amostra foi estratificada por Região (Norte -21,3%; A.M. do Porto - 14,8%; Centro - 29,2%; A.M. de Lisboa - 25,3%; Sul - 9,4%), e aleatória no que concerne ao Sexo e Faixa Etária, de onde resultou Feminino (51,6%), Masculino (48,4%) e 18/30 anos (19,8%), 31/59 anos (45,7%) e 60 anos ou mais (34,5%), num total de 521 entrevistas telefónicas validadas, dado que 215 (29,2%) das 736 tentativas efectuadas não aceitaram colaborar ou responderam não ir votar.

O resultado projectado da intenção de voto, é calculado mediante um exercício meramente matemático, presumindo que os 21,3% respondentes "Ns/Nr" se abstêm e resulta da seguinte média: Dia 24/05 - 10%, dia 25/05 - 20%, dia 26/05 - 30%, dia 27/05 - 40%. O erro máximo da Amostra é de 4,29 %, para um grau de probabilidade de 95,0%.

Um exemplar deste Estudo de Opinião está depositado na ERC.

fonte:http://aeiou.expresso.pt/a-ultima-semana-mais-renhida-em-decadas=f651887

publicado por adm às 10:48

Maio 27 2011

Marcelo Rebelo de Sousa afirma que o cenário "claramente mais provável" nas legislativas é um Governo formado pelo PSD e pelo CDS-PP. Quanto ao PS, tem apenas "10%" de probabiblidades de ganhar.

 

Marcelo Rebelo de Sousa considerou hoje que há apenas "10 por cento" de probabilidades de o PS ganhar as eleições legislativas e que é "muito difícil" algum partido conseguir maioria absoluta.

 

Para o comentador político, o cenário "claramente mais provável" que sairá das eleições de 5 de junho é um Governo formado pelo PSD e pelo CDS-PP.

"Neste momento, o cenário de o PS ganhar as eleições é um cenário que tem uma probabilidade, a meu ver, de 10 por cento", disse o comentador político e antigo líder do PSD.

Marcelo Rebelo de Sousa disse ainda que, com os dados disponíveis, é "muito difícil" que um partido chegue à maioria absoluta. 

Sublinhou que para um partido ter maioria absoluta teria de superar os 44 % de votos, mas o PSD, que é dado com vencedor em todas as sondagens, consegue no máximo 39 %.  

"O salto de 39 para 44 ou 45 não é fácil, parece não ser fácil, neste momento, qualquer partido ter maioria absoluta", reiterou. 

No caso de o PS vencer as eleições mas o PSD e o CDS juntos terem maioria, Marcelo considerou que o Presidente da República teria "um papel a desempenhar e encontraria certamente uma solução maioritária para o país". 

"Só que sondagens, neste momento, afastam a probabilidade desse cenário, que esteve na ordem do dia há duas semanas, mas hoje parece que o cenário claramente mais provável é PSD-CDS", disse ainda. 

Marcelo Rebelo de Sousa falava em Braga, à margem de um debate sobre "Sondagens: a realidade e os mitos", promovido pela Universidade do Minho.

fonte:http://aeiou.expresso.pt/

publicado por adm às 23:46

Maio 27 2011

 

 

Ao quarto dia de sondagem, os sociais-democratas voltam a alargar a vantagem sobre o PS. E uma maioria de deputados à direita está mais perto

O quarto de dez estudos diários realizados pela Eurosondagem para o Expresso, SIC e Rádio Renascença revela uma ligeira subida do PSD e do CDS. Por outro lado, os socialistas não evitam nova descida nas intenções de voto e ficam mais longe do sonho de conseguirem vencer as eleições e continuar no governo. Pela primeira vez nesta série de estudos diários contínuos, hoje é feita uma conversão de votos em mandatos. Isso permite ver que apesar da escassa diferença entre os partidos mais à esquerda (PS, PCP e BE) e os mais à direita (PSD e CDS) em termos de intenção de voto, quando se trata de contabilizar os deputados que isso significa no Parlamento, a conclusão é só uma: sociais-democratas e populares estão a uma unha negra de conseguirem uma maioria absoluta no Parlamento.

 

FICHA TÉCNICA

Estudo de Opinião efectuado pela Eurosondagem, S.A. no dia 26/05/2011 para o Expresso, SIC e Rádio Renascença, com o objectivo de conhecer a intenção de voto.O Universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e habitando em lares com telefone da rede fixa.A amostra foi estratificada por Região (Norte -19,6%; A.M. do Porto - 13,5%; Centro - 31,9%; A.M. de Lisboa - 25,6%; Sul - 9,4%), e aleatória no que concerne ao Sexo e Faixa Etária, de onde resultou Feminino (51,1%), Masculino (48,9%) e 18/30 anos (19,4%), 31/59 anos (48,3%) e 60 anos ou mais (32,3%), num total de 511 entrevistas telefónicas validadas, dado que 221 (30,2%) das 732 tentativas efectuadas não aceitaram colaborar ou responderam não ir votar.O resultado projectado da intenção de voto, é calculado mediante um exercício meramente matemático, presumindo que os 23,9% respondentes "Ns/Nr" se abstêm e resulta da seguinte média: Dia 23/05 - 10%, dia 24/05 - 20%, dia 25/05 - 30%, dia 26/05 - 40%. O erro máximo da Amostra é de 4,34 %, para um grau de probabilidade de 95,0%. Um exemplar deste Estudo de Opinião está depositado na ERC.

fonte:http://aeiou.expresso.pt/psd-a-frente-com-maioria-de-direita=f651745

publicado por adm às 21:49

Maio 26 2011

 

 

 

Terceiro estudo da Eurosondagem para o ExpressoSIC Rádio Renascença mostra leve queda do PSD e subida do PS.

O PSD tem uma ligeira de descida de 0,1% na terceira de dez sondagens diárias que a Eurosondagem está a realizar nesta campanha eleitoral. Ainda assim os sociais-democratas mantém a liderança, com o PS 1,1% atrás.

Mas os socialistas, com uma subida de 0,5% neste terceiro estudo são a força política que mais sobe. 

Com este resultado, apesar da liderança continuar com o partido de Pedro Passos Coelho, a direita pode estar em risco de não conseguir uma maioria absoluta no Parlamento. Com efeito, se somarmos as percentagens dos dois partidos mais à direita (46,4%) e os dos três partidos do outro lado (47,1%), verificamos que pela primeira vez neste estudo contínuo a direita não vai à frente.

 

Ficha técnica

 

Estudo de Opinião efectuado pela Eurosondagem, S.A. no dia 25/05/2011 para o Expresso, SIC e Rádio Renascença, com o objectivo de conhecer a intenção de voto.

O Universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e habitando em lares com telefone da rede fixa.

A amostra foi estratificada por Região (Norte -20,4%; A.M. do Porto - 14,2%; Centro - 29,3%; A.M. de Lisboa - 26,2%; Sul - 9,9%), e aleatória no que concerne ao Sexo e Faixa Etária, de onde resultou Feminino (51,8%), Masculino (48,2%) e 18/30 anos (19,4%), 31/59 anos (48,3%) e 60 anos ou mais (32,3%), num total de 515 entrevistas telefónicas validadas, dado que 233 (31,1%) das 748 tentativas efectuadas não aceitaram colaborar ou responderam não ir votar.

O resultado projectado da intenção de voto, é calculado mediante um exercício meramente matemático, presumindo que os 23,5% respondentes "Ns/Nr" se abstêm e resulta da seguinte média: Dia 23/05 - 30%, dia 24/05 - 30%, dia 25/05 - 40%.

O erro máximo da Amostra é de 4,32 %, para um grau de probabilidade de 95,0%.

Um exemplar deste Estudo de Opinião está depositado na ERC.

fonte:http://aeiou.expresso.pt/esquerda-com-maioria=f651441

publicado por adm às 22:15

Maio 25 2011

 

 

Segunda sondagem do estudo contínuo da Eurosondagem para o ExpressoSIC e Rádio Renascença mostra um crescimento do partido de Passos Coelho.

 

A diferença entre os dois (1,7 pontos percentuais) ainda está dentro da margem de erro (que é de 4,34%), mas esta sondagem mostra um crescimento do PSD, ainda que leve, e uma descida, também suave do PS.

 

No segundo de dez estudos diários da Eurosondagem a publicar até final da campanha (o único dia em que não haverá sondagem é o próximo domingo), os sociais-democratas voltam a ter razões para sorrir, depois do primeiro inquérito, revelado na terça-feira, ter deixado os socialistas mais satisfeitos.

Neste estudo, destaque ainda para a leve descida do partido de Paulo Portas, que ainda assim se mantém acima dos 13% nas intenções de voto. E para a subida do BE (0,1%) e da CDU (0,5%).

 

Maioria de direita em formação


A soma do PSD, que lidera as intenções de voto, e do CDS, faz com que agora pareça mais próxima uma maioria absoluta de direita para governar o país, caso os resultados de 5 de junho confirmem esta "fotografia" da realidade. Os dois partidos somam 46,9%, contra 46,8% dos partidos da esquerda.

 

A sondagem é feito com base em cinco mil entrevistas validadas, 500 por dia. Para o resultado deste segundo dia, é feita uma ponderação, valendo as respostas de cada um dos dois dias 50% para a contabilização do resultado.


Ficha técnica

 

Estudo de Opinião efetuado pela Eurosondagem, S.A. no dia 24/05/2011 para o Expresso, SIC e Rádio Renascença, com o objetivo de conhecer a intenção de voto.

O Universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e habitando em lares com telefone da rede fixa.

A amostra foi estratificada por Região (Norte -19,8%; A.M. do Porto - 13,9%; Centro - 30,4%; A.M. de Lisboa - 26,1%; Sul - 9,8%), e aleatória no que concerne ao Sexo e Faixa Etária, de onde resultou Feminino (51,6%), Masculino (48,4%) e 18/30 anos (18,8%), 31/59 anos (49,2%) e 60 anos ou mais (32,0%), num total de 510 entrevistas telefónicas validadas, dado que 253 (33,1%) das 763 tentativas efetuadas não aceitaram colaborar ou responderam não ir votar.

O resultado projetado da intenção de voto, é calculado mediante um exercício meramente matemático, presumindo que os 24,5% respondentes "Ns/Nr" se abstêm e resulta da seguinte média: Dia 23/05 - 50%, dia 24/05 - 50%.

O erro máximo da Amostra é de 4,34 %, para um grau de probabilidade de 95,0%.

Um exemplar deste Estudo de Opinião está depositado na ERC.

fonte:http://aeiou.expresso.pt/psd-destaca-se-do-ps=f651152


publicado por adm às 22:19

Maio 24 2011

 

 

 

O PSD lidera as intenções de voto a pouco menos de duas semanas das eleições legislativas, mas o PS aparece colado aos sociais-democratas, apenas a 0,5 por cento. Os dois partidos estão dentro do que se chama a margem de erro, não se podendo dizer claramente que um vai ganhar as eleições ou que está claramente destacado para ser o vencedor a 5 de junho.

 

Em terceiro lugar aparece, destacado, o CDS/PP de Paulo Portas, com 13,7 por cento das intenções de voto. Os dois restantes partidos, CDU e Bloco de Esquerda, aparecem com uma votação somada semelhante à dos centristas (13,7 contra 14,2).

Esquerda e direita empatadas 

 

Se agruparmos os resultados verificamos que esquerda e direita permanecem totalmente empatadas: os dois partidos mais à direita somam 46,8% e os três mais à esquerda exatamente o mesmo resultado.

Esta soma é importante para podermos perceber se a maioria dos deputados eleitos para a próxima Assembleia da República estará à esquerda ou à direita do hemiciclo e, dessa forma, percebe que espécie de maioria para governar pode ser alcançada.

Bloco central?

 

A proximidade dos dois maiores partidos permite ainda olhar para os resultados de outra forma: PS e PSD somados perfazem 65,7% por cento das intenções de voto e pode renascer a ideia de re-edição de um bloco central, sobretudo numa altura em que se sabe que as exigências da governação vão ser enormes.

E agora?

 

Depois de semanas com os dois partidos muito colados, e com a indecisão sobre o vencedor das eleições a dominar a agenda, os últimos dias pareciam trazer uma descolagem do PSD. Primeiro, por causa da onda criada em torno da prestação de Pedro Passos Coelho no último debate televisivo, com José Sócrates. E, segundo, devido a outra sondagem publicada no início da semana, pela Intercampus, nas quais os sociais-democratas estavam mais destacados na liderança.

Mas a sondagem da Eurosondagem volta a lançar a dúvida: será que o PS ainda consegue ganhar as eleições? Seja qual for a resposta, ou o que cada leitor pensar sobre o assunto, um dado parece indesmentível: esta sondagem volta a acender a luta na campanha eleitoral. Sobretudo quando, como mostra a sondagem, o número de indecisos ainda é muito elevado: 25,1% dos inquiridos responderam "não sabe" ou "não responde".

 

Ficha técnica

 

O estudo continuo (tracking poll) da Eurosondagem para o Expresso, SIC e Rádio Renascença começa hoje, terça-feira, a ser publicado.

Ao todo serão 10 sondagens, uma por dia, até ao dia 3 de junho, antevéspera das eleições.

O próximo domingo (29 de maio) é o único dia em que não haverá sondagem.

O estudo continuo consiste num total de cinco mil entrevistas validadas. Ou seja, 500 por dia.

No primeiro dia, hoje, a sondagem é feita com base nas primeiras 500 entrevistas. E amanhã, quarta-feira, será feita com mil entrevistas, com uma ponderação de 50% do resultado de cada bloco.

No terceiro dia, a sondagem será feita com uma ponderação de 30% para cada um dos dois primeiros dias, e 40% para o último dia. E assim sucessivamente.

fonte:http://aeiou.expresso.pt/psd-a-frente-mas-com-ps-nos-calcanhares=f650904

publicado por adm às 22:32

Tudo sobre as Eleições Legislativas 2011
pesquisar
 
Pesquisa personalizada
links
Web Stats