Eleições Legislativas 2011

Maio 27 2011

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, apelou hoje ao voto dos reformados nas eleições legislativas para “castigar” quem afirma estar contra eles: os partidos que acordaram o pacote da “troika” de ajuda financeira externa.

 

“No dia 05 [de junho], cada reformado tem uma oportunidade de castigar quem está contra si e tem a possibilidade de valorizar e dar força a quem está com eles”, declarou Jerónimo de Sousa na Associação de Reformados, Pensionistas e Idosos de Vila Real de Santo António, onde a CDU fez hoje campanha eleitoral.

Jerónimo de Sousa afirmou que os outros partidos, nomeadamente PS, PSD e CDS-PP, olham para os idosos “apenas com o sentido de voto”.

“Eles consideram que vocês são uma força arrumada, que o vosso futuro é muito condicionado, entendem-nos como obstáculos, gostariam de se ver livres de vocês. Mostrem-lhes no dia 05”, desafiou Jerónimo de Sousa.

Continuando as críticas aos “partidos da troika”, que assinaram um acordo de ajuda financeira que prevê “o congelamento das pensões até 2013”, Jerónimo afirmou que olham para os reformados “apenas com o sentido do voto”.

“Depois esquecem-nos e praticam uma política contra os vossos interesses”, acusou.

Jerónimo de Sousa frisou que no contexto actual, é “uma violência que se agridam os direitos, o valor das pensões e reformas” dos idosos, que já não têm “capacidade reivindicativa”.

O líder do CDS-PP, por exemplo, tem sido ao longo da campanha um dos alvos de Jerónimo quando se fala de idosos: Paulo Portas “não pode dizer que está a favor dos idosos e depois estar contra eles assinando documentos e um programa profundamente injusto”.

Jerónimo critica “guerras pessoais”

Jerónimo de Sousa criticou ainda a “fulanização” da discussão política na campanha eleitoral, com PS e PSD em “guerras pessoais” que afirmou não acrescentarem nada.

“Parece que há aqui uma guerra pessoal quando na prática estamos a tratar é da eleição de 230 deputados para a Assembleia da República, que vai determinar muito do futuro do nosso país”, disse em declarações aos jornalistas.

As “zangas e arrufos” de socialistas e sociais-democratas são no entender de Jerónimo de Sousa um “problema de fundo” da campanha eleitoral, que devia ser “esclarecedora”, com cada partido a “assumir as suas propostas”.

As “derivas de acontecimentos mediáticos” em que se tem centrado o debate do PS e do PSD são “coisas muito fulanizadas que não acrescentam nada ao esclarecimento” nem contribuem para a mobilização dos eleitores, argumentou.

O secretário-geral comunista aponta essa como a “parte mais pobre” da campanha para as legislativas, que acaba por se “descentrar das questões fundamentais num momento tão grave” da vida portuguesa.

fonte:http://www.publico.pt/

publicado por adm às 22:55

Tudo sobre as Eleições Legislativas 2011
pesquisar
 
Pesquisa personalizada
links
Web Stats