Eleições Legislativas 2011

Maio 24 2011

O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, encerrou o caso das “nomeações ocultas” lançado na segunda-feira – “o país percebeu o que se passou” –, mas lançou mais um. E agora é um caso do “défice oculto” que mete milhões . No caso 205,9 milhões de euros de despesas não contabilizadas na execução orçamental dos três primeiros meses do ano.

 


São despesas, nomeadamente com prestação de serviços de empresas de limpeza ou segurança informática, que “não foram contabilizadas para efeitos do défice”, afirmou Passos aos jornalistas depois de uma reunião com a Associação de Agricultores de Portalegre em mais uma acção de campanha para as legislativas de 5 de Junho.

Os cálculos para este valor foram feitos pela Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO), a funcionar junto da Assembleia da República, cujo reforço de meios foi exigido pelo PSD para viabilizar o Orçamento de 2011, e divulgados hoje pelo Diário Económico.

Em defesa da “transparência” das contas, Passos Coelho apelou ao Governo para que esclareça o que está a passar-se e que comece “rapidamente a mostrar o que vale e a pôr tudo em pratos limpos”. “Se não consegue travar [as despesas], peça ajuda”, afirmou. E pediu que o Executivo seja “diligente e transparente sobre a forma como estas despesas estão a ocorrer” e que deixe de “empurrar as despesas com a barriga” .

Por este ritmo, acrescentou, pode acontecer que se chege ao fim do ano “com mais mil milhões de euros” no défice. E, nesse caso, ou “o país precisa de mais dinheiro ou de mais sacrifícios”.

Em Portalegre, a poucos quilómetros com a fronteira de Espanha, Pedro Passos Coelho comentou a crise política espanhola, depois de o PSOE ter perdido as eleições regionais, e disse esperar que o país não precise de pedir o resgate às instituições financeiras internacionais. “Espero sinceramente que consiga sair da crise sem pedir ajuda externa”, afirmou.

Com as sondagens a colocarem o PSD à frente do PS – a da Intercampus para o PÚBLICO e a TVI a darem uma vantagem de 6,4 por cento – o líder social-democrata evitou “triunfalismos” e fez um apelo aos apoiantes para não baixarem os braços. “Ainda faltam duas semanas muito duras de campanha”, disse.

fonte:http://www.publico.pt/P

publicado por adm às 13:46

Tudo sobre as Eleições Legislativas 2011
pesquisar
 
Pesquisa personalizada
links
Web Stats