Eleições Legislativas 2011

Maio 11 2011

António Nogueira Leite assegurou hoje que o PSD vai baixar os impostos sobre o trabalho se o partido ganhar as eleições de 5 de Junho.

 

Em conferência de imprensa na sede do PSD, o conselheiro de Passos Coelho para a aérea económica garantiu que o partido avançará com essa medida, mesmo “contra a vontade de José Sócrates”.

“O PSD vai baixar os impostos sobre o trabalho para criar riqueza e emprego, mesmo contra a vontade do engenheiro Sócrates”, disse Nogueira Leite.

Nogueira Leite acrescentou ainda que o líder da equipa do FMI que negociou a ajuda externa a Portugal, Poul Thomsen, disse no dia 6 de Maio que "o Governo português se comprometeu a considerar seriamente, está a tratar de montar aquilo que na expectativa do Fundo Monetário é uma baixa da contribuição sobre o trabalho de entre 8 e 12 pontos".

"Das duas, uma: ou o primeiro-ministro está a enganar os portugueses, ou o primeiro-ministro enganou quem nos está a emprestar o dinheiro. E, portanto, o que o engenheiro Sócrates vai ter de explicar é a quem é que mentiu", defendeu Nogueira Leite.

O PSD distribuiu aos jornalistas a entrevista publicada no site do FMI em que Poul Thomsen faz questão de assinalar que "o Governo está agora a considerar" reduzir as contribuições das empresas para a Segurança Social "na ordem de três, quatro por cento do Produto Interno Bruto (PIB)".

Nas contas dos sociais-democratas transmitidas aos jornalistas, está em causa um montante de 7 mil milhões de euros, o que "corresponde a uma baixa de 8 a 13 pontos da TSU".

Nogueira Leite veio também esclarecer que, independentemente das opiniões diferentes que possam existir dentro do PSD em matéria de impostos, a “única palavra que conta” é de Passos Coelho, remetendo os jornalistas para as declarações de hoje do líder do PSD.

“Não há contradição nenhuma. No PSD, quem toma a decisão política sou eu como candidato a primeiro-ministro. Pode haver várias opiniões técnicas, mas só há uma decisão, que é a minha. Essa decisão está no programa eleitoral com que me apresentei aos portugueses. Nesse programa não se defende a extinção da taxa intermédia do IVA. Manteremos as taxas todas – intermédia, normal e reduzida – e não iremos aumentá-las”, disse esta manhã Passos Coelho.

António Nogueira Leite afirmou que está "totalmente fora de questão" os sociais-democratas, se formarem Governo, acabarem com a taxa intermédia do IVA.

O social-democrata disse que esse foi um dos cenários estudado pelo PSD durante a elaboração do seu programa eleitoral, mas foi excluído por "decisão política da Comissão Permanente e do seu presidente", Pedro Passos Coelho.

Segundo Nogueira Leite, o coordenador do programa eleitoral do PSD, Eduardo Catroga, deu a sua opinião pessoal, sem comprometer o partido, ao defender em entrevistas ao “Jornal de Negócios” e ao “Diário Económico” que se deve "caminhar para apenas duas taxas" do IVA, "com respeito pelo cabaz alimentar básico".

"É muito simples: Eu tenho a minha opinião, o doutor Catroga tem a sua opinião, o engenheiro Carlos Moedas tem a sua opinião, até o doutor Miguel Beleza tem a sua opinião. O Vítor Bento veio também expressar a sua opinião, embora não seja membro do partido. Mas o PSD tem um líder e uma liderança, e a posição do PSD é a posição do líder do PSD", disse.

fonte:http://economia.publico.pt/

publicado por adm às 23:16
Tags:

Tudo sobre as Eleições Legislativas 2011
pesquisar
 
Pesquisa personalizada
links
Web Stats