Eleições Legislativas 2011

Maio 07 2011

líder do CDS-PP, Paulo Portas, garantiu hoje que mantém "a coerência", em contraste com o presidente do PSD, que agora "diz que já não governa com o PS", e com o primeiro-ministro.

"Eu cá mantenho-me coerente. E vocês vão ver a surpresa de dia 05" de junho, afiançou, dirigindo-se aos jornalistas.

O líder do CDS-PP falava durante uma visita à feira agropecuária Ovibeja, que decorre no Parque de Feiras e Exposições de Beja, até domingo, onde foi questionado pelos jornalistas sobre as afirmações feitas na sexta-feira à noite pelo presidente do PSD, Passos Coelho.

O presidente social-democrata argumentou, em Santa Maria da Feira, que a governação socialista "não tem perdão" e que, após as eleições, só estará no Governo o PS ou o PSD -- "não os dois".

"Eu sou uma pessoa que gosto de manter a coerência", ironizou Paulo Portas, tecendo comparações com o primeiro-ministro, José Sócrates, e com Pedro Passos Coelho.

José Sócrates, segundo o líder do CDS-PP, "dizia que nunca seria primeiro-ministro com o FMI. Agora, quer ser primeiro-ministro com o FMI".

Quanto ao presidente do PSD, sublinhou, "dizia que governava com o PS. Agora, diz que não governa com o PS".

Questionado também pelos jornalistas sobre o que espera do programa eleitoral do PSD, que vai ser apresentado no domingo, Paulo Portas escusou-se a comentar.

"Não posso comentar o que não conheço e, sobretudo, interessa-me muito mais o que as pessoas sabem do CDS e o que eu lhes posso propor, face aos meus concorrentes", frisou.

Interrogado ainda sobre se vai ser candidato a primeiro-ministro, Portas limitou-se a afirmar que, sobre esse assunto, falará "no momento certo".

Relativamente às eleições, Paulo Portas afirmou também que "há muita gente que, tradicionalmente, votava PS, mas que não quer, com o seu voto, absolver o estado a que os socialistas, e em particular este primeiro-ministro, trouxeram o país".

"E há muita gente que votava PSD e que não está satisfeita, porque não acha convincente [a liderança]", sublinhou.

Durante a visita à feira, Paulo Portas disse que o CDS-PP tem "uma lealdade de ferro ao mundo rural" e lamentou que os agricultores não tenham sido "bem tratados" durante a governação PS, "particularmente nos primeiros quatro", com o ministro da Agricultura Jaime Silva.

"O novo ministro [António Serrano] tem melhores intenções, mas não tem peso político", acrescentou, defendendo que Portugal só se vai conseguir "desendividar se produzir mais, exportar mais e depender menos das importações".

fonte:http://www.ionline.pt/

publicado por adm às 18:38

Tudo sobre as Eleições Legislativas 2011
pesquisar
 
Pesquisa personalizada
links
Web Stats